Na década de 1980 já iniciavam algumas ações de tratamento dos acervos e da implementação das atividades de microfilmagem dos registros acadêmicos, registrada na Ata n° 027/83 do Conselho Departamental (CODEP), onde a Biblioteca Central seria responsável pela estruturação, organização e manutenção de um projeto de organização de um arquivo, chamado de Arquivo Retrospectivo, responsável pela gestão do acervo da FURG. O Arquivo Retrospectivo foi criado em 1983, através do ato executivo n° 005, de 08 de abril, com características de arquivo intermediário e permanente, e recebiam dos setores da universidade documentos que geraram normas para a administração da instituição, documentos relativos às mudanças na estrutura da instituição ou do seu quadro de servidores, a passagem do aluno pela instituição, as atas de presença das provas, cadernos de registro de frequência, dentre outros documentos. A principal função deste arquivo era propiciar a transferência, o recolhimento e a custódia da documentação, especialmente o de valor de guarda permanente, mas, por falta de profissionais especializados e infraestrutura adequada não foi possível a continuidade das suas atividades.

   Nesse ano foi criada pelo reitor e presidente do Conselho Departamental - CODEP, Prof. Fernando Lopes Pedone, a “Norma para Arquivamento de Documento” institucionalizando, a partir da Resolução n° 030, de 29 de agosto, as diretrizes e normativas de arquivamento de documentos, orientando a transferência, recolhimento para o Arquivo Retrospectivo, o tratamento, os prazos de guarda e eliminação. Paralelo a definição das normas de arquivamento de documentos, existia também um projeto para a instalação de microfilmagem na instituição. A proposta previa serviços micrográficos tanto para atender às demandas da universidade como também, em longo prazo, atender as necessidades de usuários externos. A política visava a descentralização, dando autonomia à unidade usuária onde essa seria suprida com arquivos micrográficos e equipamentos para que pudesse acessar às informações. O setor de microfilmagem seria o responsável direto pelo desenvolvimento destes projetos, guarda dos filmes originais e manutenção de seus equipamentos bem como prover a capacitação dos servidores.

   Em 1985, considerando as semelhanças entre o processamento de dados e a microfilmagem quanto ao tratamento e disponibilização da informação, foi aconselhado que o setor de microfilmagem estivesse ligado ao Núcleo de Processamento de Dados (NPD), cabendo a ele as atividades de preparação de documentos, microfilmagem, processamento, controle de qualidade e montagem da microforma final. Com o ato executivo nº 028/85 de 10 de julho, o NPD é extinto bem como todos os setores que o compõem e cria junto ao Gabinete do Reitor, o Centro de Processamento de Dados (CPD) com a criação do setor de Divisão de Microfilmagem (Setor de Preparação, Execução e Controle e Setor de Arquivo). Entretanto, com a oficialização do ato executivo n° 058/91, de 21 de novembro, é definido a nova estrutura organizacional da FURG e o Arquivo Retrospectivo é extinto do organograma do CPD.

   No ano de 2005 é criada a Comissão Permanente de Gestão de Arquivos da FURG através da portaria n° 1.337, de 24 de agosto, que tinha como atribuição principal propor a criação e a estruturação do Arquivo Central da Universidade. Embora verifica-se uma série de iniciativas e esforços em nível estratégico e operacional quanto ao estabelecimento das diretrizes de gestão documental e o emprego de recursos tecnológicos para a difusão das informações, fica claro que essas políticas não tiveram força suficiente para garantir a eficácia do processo de gestão dos acervos da FURG.

   Todo esse movimento em torno da gestão documental da FURG foi fortalecido pela progressiva expansão da Universidade Federal do Rio Grande, impulsionado pelo Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI) que culminou, dentre outras ações relevantes, com a criação do curso de Arquivologia no ano de 2008 e a contratação de docentes e de arquivistas para compor o quadro de servidores da instituição. Em 2008 a Comissão Permanente de Gestão de Arquivos da FURG, sua composição e atribuições foram modificadas primeiramente pela Portaria n° 112, de 29 de janeiro, que modificava a composição instituída pela Portaria n° 1337/05, de 24 de agosto e, recentemente pela Portaria n° 1285/15, tendo como foco principal o papel de atualizar a legislação arquivística interna da Universidade, em conformidade com o disposto pela legislação federal (CONARQ e SIGA-MEC).

   Em 2009, extingue-se a Comissão instituída em 2008 e cria-se uma nova Comissão Permanente de Avaliação de Documentos da FURG (CPAD/FURG) por meio da Portaria da PROPLAD n° 2.715/09. Nessa portaria, no seu Art. 3º ficam definidas as atribuições e responsabilidades da Comissão, devendo: orientar e realizar o processo de análise, avaliação e seleção da documentação produzida e acumulada no âmbito da FURG, tendo em vista a identificação dos documentos para guarda permanente e a eliminação dos destituídos de valor secundário, assim como também, o encaminhamento das propostas resultantes do processo de avaliação documental na instituição para o Conselho Nacional de Arquivos – CONARQ, conforme a Legislação Federal. Tal iniciativa constitui-se em incentivo para o desenvolvimento de políticas com o propósito de estruturar e implantar um sistema de arquivos e gestão documental alinhado com a política nacional de arquivos, alicerçado nas teorias, princípios e métodos arquivísticos, mesmo antes da oficialização da Coordenação do Arquivo Geral da FURG, enquanto órgão da Universidade, que aconteceu em 2010, com a publicação da Portaria nº. 2.109 da Reitoria, constante no seu anexo.